Wednesday, December 07, 2005

"No princípio era o Verbo"

A palavra- parole- estava presente na Criação do mundo. Faz parte da nossa vida. Através dela iniciamos ou damos fim às nossas relações. Ela permite o convívio. Por isso foi escolhida para ser título do meu Blog.
Sou professora, membro da Academia Itaperunense de Letras, ocupo a cadeira de nº7, patronímica de Gonçalves Dias. Publiquei dois livros: Renascer- poemas e Sobre tempos e jardins- crônicas. Fui colunista do Jornal tribuna do Noroeste durante 5 anos, assinando a coluna O Vôo da Garça, espaço destinado à Academia Itaperunense de Letras.

...............................................................................................................................................................................
Considerações sobre o amor
“Amar é a verdadeira sacanagem.”
( Tom Jobim)



Tenho algumas perguntas sobre o verbo intransitivo AMAR. Cabe a você escolher a forma de amar, de ser amada, ou isso ocorre alheio à sua vontade? Amor idealizado, amor sufocado, amor romântico, amor fraterno, amor possessivo, amor ardente, amor renitente, amor fatigado, amor como remédio para algum “buraco” existencial, amor “alma gêmea”, amor fugaz, amor sagaz, amor cego, “amor em pó, amor em barra, amor com farra, amor transbordado” (Paulinho Moska).
Amor eletromagnético, amor de dopamina e norepinefrina, amor simétrico, amor à primeira vista, amor de borboletas no estômago, amor de receita, amor clichê, amor com agravantes, amor mito de Psique e Eros.
Amor de consumo, amor às pressas, amor que não se mede, amor em estado de graça, amor semeado, amor capaz de extremos, amor capturado, amor domesticado, amor jurado, amor sacramentado, amor proibido, amor despudorado, amor de contrato, amor celebrado, amor vivido,amor esquecido.
Amor de rega, amor de poda, amor de flores de estufa. Que caprichos o amor não requer... Um trabalho gostoso, mas com método, disciplina, investimento. Como é difícil o desejo de amar!
Onde se apura o amor? Entre taças e cálices, entre gestos, entre dizer e não-dizer é que se apura o amor? Mas o amor também se apura nos intervalos amorosos... Afinal, o amor não vive apenas numa atmosfera da lareira com vinho.
Há que se fazer ajustes entre o desejo e o fado. E a tudo o amor reclama, para não ser desamor não suprido.
O amor pede orvalho, suspira transparência, quer o rufar dos tambores, um festival de asas ensaiando vôo. O amor quer celebração, alumbramento, dança, música, e dedilha no ardor das cordas seu delito de “amar, desamar, amar”.
Então o amor não é um só? O nosso amor a gente tece, a gente veste, “o nosso amor a gente inventa” (Cazuza)?
.................................................................................................................................................................................................................................................

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home