Friday, June 30, 2006

Algumas boas leituras

Costuma-se exaltar a cabeça como fonte da razão e denunciar o coração como sede da insensatez, como músculo incapaz de ter autocrítica e de ser original. Que seja assim. E daí? Nada pior do que uma idéia feita, mas nada melhor do que um sentimento usado. A cabeça pode gostar de novidade, mas o coração adora repetir o já provado. Se as idéias vivem da originalidade, os sentimentos gostam da redundância. Não é por acaso que o prazer procura repetição.
(Zuenir Ventura. Crônicas de fim de século)

A torneira seca
(mas pior: a faltade sede)
A luz apagada
(mas pior: o gostodo escuro)
A porta fechada
(mas pior: a chavepor dentro).
Este poema de José Paulo Paes nos fala, de forma extremamente concentrada e precisa, do núcleo da liberdade e de sua ausência. O poeta lança um contraponto entre uma situação externa experimentada como um dado ou como um fato (a torneira seca, a luz apagada, a porta fechada) e a inércia resignada no interior do sujeito (a falta de sede, o gosto do escuro, a chave por dentro). O contraponto é feito pela expressão “mas pior”. Que significa ela? Que diante da adversidade, renunciamos a enfrentá-la, fazemo-nos cúmplices dela e é isso o pior. Pior é a renúncia à liberdade. Secura, escuridão e prisão deixam de estar fora de nós, para se tornarem nós mesmos, com nossa falta de sede, nosso gosto do escuro e nossa falta de vontade de girar a chave.Um outro poema também oferece o contraponto entre nós e o mundo:
Mundo mundo
vasto mundo,
Se eu me chamasse Raimundo

.............................
"Cito para não ceder ao autismo e à arrogância de quem se julga o umbigo do mundo.""Eu prefiro o convívio da diferença. Prefiro a multiplicidade ao único. Prefiro a democracia à tirania e ao fascismo da linguagem única.""Nós alimentamo-nos de ficções, de sonhos, de visões. Entre o ser e o dever-ser corre um rio às vezes intransponível. O Somnium Scipionis é a visita diária de quantos andam neste mundo entre estas duas margens. A fome de espiritualidade é um dos sonhos e uma das fomes deste tempo. Há a fome do corpo perfeito, protésico, há a fome da evasão (toda a droga promete um paraíso) através da velocidade. Mas a fome é uma pulsão."José Augusto Mourão, semiólogo, professor na Universidade Nova de Lisboa, dominicano, presidente do Instituto São Tomás de Aquino.
.............................
Gostei muito das palavras de Clarice Lispector:"Eu tenho a medida que designo – e este é o esplendor de se ter uma linguagem. Mas eu tenho muito mais a medida que não consigo designar. A realidade é a matéria-prima, a linguagem é o modo como vou buscá-la – e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que instantaneamente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas – volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu."
..............................
""Volta-se de um amor, escreve um humorista, como de um fogo de artifício: triste e aborrecido. Tal é em resumo a minha situação. E feliz o homem que, após um sonho de longos dias, não traz no coração a mínima gota de fel. Pode olhar sobranceiro para as contingências da vida e não apreender-se de vãos terrores ou vergonhosas pusilanimidades."É certo que as naturezas capazes de resistir ao choque das paixões humanas são inteiramente raras. O mundo regurgita de almas melindrosas, que, como a sensitiva dos campos, se contraem e murcham ao menor contato. Sair salvo e rijo dos combates da vida é caso de rara superioridade. Esta glória, esta felicidade, ou esta honra, tive-a eu, que, nas mãos da mais vesga fatalidade, nada deixei do que recebi de puro e verdadeiramente perdurável."(Machado de Assis)
.............................
Dicas de leitura:
A louca da casa, de Rosa Montero
Seis passeios pelo bosque da ficção, de Umberto Eco
Poesia Essencial, Roseana Murray- editora Manati.

5 Comments:

Blogger Anna D' Castro said...

Oi Lu, há quanto tempo... forças imperiosas do destino ou de nós mesmos...
Depois de uma passagem por vários blogs de amigos poetas, pesquisei os teus que são sempre tão agradavelmente surpreendentes e recheados de boas indicações para leituras e de belas crônicas ou poemas. Aqui estou eu tomando conhecimento dos últimos relatos. É sempre muito bom estar em contato com a tua escrita e as tuas opinões de mestra e tão bem 'acompanhada' com os grandes mestres: Clarice e Machado de Assis.
Pena a distância entre nós...
Minha querida manda-me notícias para: annadcastro@gmail.com não tenho muita paciência para os vírus do orkut, estou desgostosa. Estou mais nos meus blogs, vai me ler um pouco, me dá esse prazer.
Aqui no Blogspot estou com 2 blogs no mesmo link: http://www.floreselvagens.blogspot.com
De poemas no: 'Flores Selvagens - Teatro e Poesia'
e um dos seus'braços': "Recolhendo Farpas" - com: Crônicas, pensamentos, reflexões, etc...
Adoraria que desses uma lida, principalmente, no 'Recolhendo Farpas' e me deixasses um comentário e a tua opinião...
Estou também no "Recanto das Letras", vai-me ver/ler... Tenho um trabalho didático, lá postado, que fiz com intenção de ser apresentado para os alunos, e se intitula: "ACOMODADOS", gostaria de saber a tua opinião didática. Agora só me resta a escrita para desabafar dos acidentes psicológicos. Fica bem fica com Deus.
Um beijo no teu coração.
Anna

1:54 AM  
Anonymous Ceci Pinheiro said...

Oi querida: Como sempre você coloca questões da maior relevância, através da arte e da cultura. Por coincidência, postei sobre a liberdade, hoje, no meu fotolog. Dá uma olhada, tá? Beijo grande

8:01 AM  
Anonymous Anonymous said...

This comment has been removed by a blog administrator.

6:27 PM  
Anonymous Anonymous said...

This comment has been removed by a blog administrator.

8:04 PM  
Anonymous Anonymous said...

This comment has been removed by a blog administrator.

1:11 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home